terça-feira, 28 de março de 2017

Bom Dia



segunda-feira, 27 de março de 2017

27 de março de 2017 
Homem é morto a golpe de canivete enquanto bebia em frente de bar
Suspeito sentava à mesa com a vítima; crime aconteceu domingo em MS. Segundo boletim de ocorrência, não teria ocorrido briga entre eles.
Postado por Jessica Silva

Um homem de 58 anos foi morto enquanto tomava bebidas alcoólicas com amigos, na frente de um bar, no distrito de Cristalina, em Caarapó, a 264 quilômetros de Campo Grande, na noite de domingo (26). O suspeito era uma das pessoas que estava com a vítima e fugiu.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, a vítima chegou ao local por volta das 20h (de MS) e passou a beber com um amigo. O suspeito chegou em seguida e se juntou a eles.

O bar fechou e os três continuaram a beber em uma mesa de concreto em frente ao comércio. Em um determinado momento, o suspeito sacou um canivete, disse que iria matar o conhecido e deu um golpe no lado esquerdo do peito.

A vítima foi socorrida para o hospital do município, mas, já chegou ao local morta. O suspeito fugiu. O caso foi registrado como homicídio qualificado pelo motivo fútil.
27 de março de 2017 
Carros batem em cruzamento, um tomba e mulher é socorrida em MS
Postado por Jessica Silva

Carro parou com as rodas para cima e mulher não ficou ferida, diz bombeiros (Foto: Marcos Ribeiro/TV Morena)Carro parou com as rodas para cima e mulher não ficou ferida (Foto: Marcos Ribeiro/TV Morena)






Um carro tombou e outro ficou com a frente destruída em um acidente de trânsito, na manhã desta segunda-feira (27), no bairro Tiradentes, em Campo Grande.  Os motoristas saíram sem ferimentos aparentes, segundo o Corpo de Bombeiros, mas a mulher que dirigia um dos veículos foi socorrida para Santa Casa para avaliação detalhada.

No local do acidente não tem sinalização de trânsito. O G1 entrou em contato com a prefeitura sobre a ausência de placas e aguarda retorno.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o carro dirigido pela mulher de 40 anos seguia pela rua Antônio Pinto de Barro quando foi atingido por outro no cruzamento com a rua Jacarepaguá. O automóvel dela tombou, ficou com as rodas pra cima e ela ficou presa ao cinto de segurança.

O motorista do outro carro, de 57 anos, não ficou ferido. Ele não teria respeitado a preferencial, segundo a polícia.  O homem disse que estava indo trabalhar, parou no cruzamento olhou para os lados e não viu o outro veículo. Ele disse que o principal motivo da batida foi a falta de sinalização no local.
27 de março de 2017 
JBS retoma produção de carne bovina
Postado por Jessica Silva

A JBS retomou hoje (27) o abate de carne bovina nas suas unidades. A companhia havia suspendido por três dias a produção [1] em 33 das 36 unidades da empresa que, a partir desta semana, vão operar com redução de 35% da capacidade produtiva.
A empresa informou que “está avaliando a retomada de sua capacidade produtiva após o fim do bloqueio das importações por parte de China, Chile e Egito [2], mas continua aguardando a definição de importantes mercados importadores como União Europeia e Hong Kong”.
A suspensão das atividades da JBS aconteceu após a deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que investiga um esquema de suborno a fiscais agropecuários para liberação da venda de carnes inadequadas para o consumo. A Seara, uma das marcas da JBS, teve a unidade da Lapa (PR) citada no esquema, devido a supostas irregularidades no procedimento de Certificação Sanitária.
Pelo menos 19 países e a União Europeia suspenderam total ou parcialmente as importações de carnes brasileiras após o anúncio da Operação Carne Fraca. Mais quatro países, entre eles os Estados Unidos, reforçaram o controle sanitário para entrada do produto brasileiro.
PREVISÃO DO TEMPO
A pedidos dos pescadores, ranchos, pousadas e pesqueiros

Resultado de imagem para Fotos de dias de Sol em presidente epitácio
Foto do Lago de Primavera

De acordo com os canais de previsões do tempo, vai continuar limpo 
até o dia 05 de Abril. Amanhã, terça-feira poderá ficar nublado, mas
não chove. Presidente Epitácio está comemorando hoje, dia 27 de
março, os 68 anos de emancipação política. Hoje é feriado por aqui.
Nesta Semana vai fcar bom para pescar uns peixinhos no lago, que
deverá ficar calmo com a ausência de tempo chuvoso.

Três presos são recapturados, após fuga da Delegacia de Polícia Civil de Brasilândia-MS

Onze presos fugiram na noite de domingo, 26, rendendo o investigador de plantão e tomaram uma pistola ponto 40 e fugiram com o veículo policial
 (Foto: )
(Foto: )
Três presos já foram capturados, após a fuga de onze detentos da Delegacia de Polícia Civil de Brasilândia-MS, na noite de domingo, 26, conforme a informação do delegado Rodrigo Camapum, na manhã de hoje, 27.
Os detentos foram recapturados no estado de São Paulo e o veículo policial e arma que também levaram na fuga, foram recuperados. (Com informações da Tv Morena)
Mais detalhes deste caso, acompanhe amanhã na edição do Jornal Regional e no Portal Regional
27 de março de 2017 
Mulher trabalha 5,4 anos a mais do que homem, diz estudo do Ipea
Postado por Jessica Silva

A mulher trabalha 5,4 anos a mais do que o homem ao longo de cerca de 30 anos de vida laboral, segundo simulação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O trabalho extra é resultado dos afazeres domésticos. O cálculo foi feito a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2014, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
De acordo com o Ipea, nesse período de aproximadamente 30 anos, as mulheres somam, em média, 22,4 anos de contribuição para a Previdência Social. Um total de 44,4% das mulheres às quais foram concedidas aposentadorias em 2014 atingiram até 20 anos de contribuição.
Indústrias
Mulheres trabalham 5,4 anos a mais que os homens, aponta estudo do Ipea Arquivo/Agência Brasil
A pesquisadora do Ipea Joana Mostafá explica que essas informações foram obtidas por meio de uma parceria que possibilitou o acesso a microdados do extinto Ministério da Previdência Social – atualmente Secretaria da Previdência Social, vinculada ao Ministério da Fazenda.
Segundo Joana, as interrupções na contribuição previdenciária feminina são causados por situações como desemprego, trabalho informal, afastamento do mercado de trabalho para cuidar dos filhos, entre outras. Com base nesse cenário, o Ipea lançou uma nota técnica na última semana na qual defende que as idades de aposentadoria de homens e mulheres devem ser diferentes.
“A princípio, a diferença [no sistema em vigor hoje, em que a mulher se aposenta cinco anos mais cedo que o homem] é justificada”, disse a pesquisadora. Atualmente, para se aposentar, o homem deve acumular 35 anos de contribuição e a mulher, 30. Há ainda a opção da aposentadoria por idade, que exige 15 anos de contribuição e idade de 65 anos para o homem e 60 anos para a mulher.
A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, de reforma da Previdência, atualmente em discussão na Câmara dos Deputados, altera esse modelo e estabelece como condição para a aposentadoria no mínimo 65 anos de idade e 25 anos de contribuição para homens e mulheres. Um dos argumentos do governo para a mudança é que as mulheres vivem mais que os homens.
Acordo social
Segundo dados do IBGE, ao atingir os 65 anos, a mulher tem uma sobrevida 3,1 anos superior à do homem. Mas, para Joana Mostafá, usar a sobrevida como base para equiparação das aposentadorias está em desacordo com a função da Previdência. “O acordo da Previdência é um acordo social. Ele visa, entre outras coisas, compensar algumas desigualdades do mercado de trabalho”, afirma.
A pesquisadora destaca que outros fatos, além da jornada dupla de trabalho, distanciam a realidade feminina da masculina. “Estamos falando da desigualdade ocupacional, da diferença de salários e da taxa de desemprego, que é maior entre as mulheres do que entre os homens. A mulher poderia contribuir mais [para a Previdência] se não fossem essas dificuldades”, afirma.
A pesquisadora Luana Mhyrra, professora do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), corrobora dizendo que os sistemas nos quais os participantes ganham de acordo com o que poupam e com o tempo que contribuem são modelos de capitalização, diferentes da proposta previdenciária brasileira.
“Os fundos de Previdência complementar [privados] são exemplos de fundos capitalizados, que atualizam e capitalizam o dinheiro aplicado pelo contribuinte. Isso não se aplica ao RGPS [Regime Geral da Previdência Social] do Brasil, uma vez que quem contribui hoje não o faz para sua própria aposentadoria e sim para aqueles que já estão aposentados. Pensar que a mulher precisa contribuir mais porque vive mais é coerente quando se pensa em um fundo capitalizado”, ressalta.
Queda na desigualdade
De acordo com o governo, ao equiparar-se a idade de aposentadoria masculina e feminina, a desigualdade no mercado de trabalho tende a cair. Recentemente o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a defasagem entre os salários de homens e mulheres [2] acabará em até 20 anos.
A pesquisadora Joana Mostafá admite que tem havido uma redução na desigualdade de renda. Segundo ela, dados da Pnad apontam que em 1995 o rendimento da mulher equivalia a 55% do rendimento dos homens. Passados 20 anos, em 2015, esse percentual havia subido para 76%. Joana alega, entretanto, que a melhora não é verificada em outros indicadores. Ela cita como exemplo a participação da mulher no mercado de trabalho. “Desde 2005, está em 60%. Não se move”, afirma.
Em debate [1]na Câmara dos Deputados, a assessora especial da Casa Civil da Presidência da República Martha Seiller disse que as justificativas para manutenção da diferença de idade mínima para aposentadoria entre homens e mulheres já não se sustentam como antigamente.
Martha lembrou que a pirâmide demográfica brasileira está cada vez mais desfavorável à manutenção de um sistema previdenciário equilibrado, já que a base jovem tem diminuído, devido à queda na taxa de natalidade, ao crescente número de idosos no topo, com o avanço da expectativa de vida. "Como é que esse sistema previdenciário sobrevive com uma mudança tão brusca na taxa de natalidade e expectativa de vida sem passar por mudanças?", questionou.
A assessora da Casa Civil disse que as regras de transição previstas na reforma para vigorar em 20 anos podem compensar as desigualdades ainda existentes. Ela acrescentou que a diferença de cinco anos é a maior entre os regimes de outros países que ainda consideram a necessidade de diferenciação.

Após 12 anos de espera, aposentada consegue marcar cirurgia de catarata: 'Vou recomeçar a viver'

Maria Tereza da Silva, de 62 anos, conseguiu marcar a cirurgia durante mutirão feito pela prefeitura de Itapetininga.
Aposentada Maria Tereza esperou há 12 anos por uma cirurgia de catarata em Itapetininga  (Foto: Reprodução/TV TEM)Aposentada Maria Tereza esperou há 12 anos por uma cirurgia de catarata em Itapetininga (Foto: Reprodução/TV TEM)
A aposentada Maria Tereza da Silva, que ficou por 12 anos na fila de espera por uma vaga para a realização de uma cirurgia para catarata, em Itapetininga (SP), conseguiu finalmente marcar o procedimento cirúrgico para 28 de abril deste ano, durante um mutirão realizado pela prefeitura. Estima-se que na fila estejam 500 pacientes aguardando pela cirurgia.
A responsabilidade da cirurgia de catarata pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Itapetininga é dividido entre o Banco de Olhos de Sorocaba, a Prefeitura e a Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Ambulatório Médico de Especialidades (AME). O processo para conseguir a cirurgia começa na rede municipal de saúde, passa por um especialista do AME e termina com a cirurgia em Sorocaba.
Segundo o BOS, somente na região de Itapetininga há entre 5 e 7 mil pessoas com catarata e que, por mês, cerca de 100 pessoas buscam a cirurgia e são incluídas na lista.
Em entrevista ao G1, a aposentada afirmou que a sensação é de alívio e de esperança. “Foi muito tempo esperando e graças a Deus deu certo. Finalmente tenho a certeza de que a cirurgia será realizada. Minha sensação é de alívio e, quando voltar a ver, vou recomeçar a viver. A primeira coisa que quero fazer é conhecer meus 10 netos e 10 bisnetos. Estou muito feliz. Por coincidência, além de conseguir a cirurgia por esse mutirão que teve em Itapetininga, fiquei sabendo no sábado (25) que em Campinas também poderei marcar uma cirurgia. Nem acredito, depois de anos esperando, que posso voltar a enxergar”, afirma
De acordo com a aposentada, o médico explicou que, como ela está há mais de 10 anos sem ver, a cirurgia não será tão simples. “Falaram que como está há muito tempo já, a cirurgia não será tão simples e pode ser mais complicadinha. Mas eu tenho fé em Deus de que tudo dará certo. Minha vida mudou muito desde que fiquei cega. Sofri demais. O que mais quero é levar meus netos e bisnetos para passear, cozinhar para eles e ver o rostinho deles. Tenho fé em Deus e esperança. Até falei para eles que logo a vovó os conhecerá”, conta.

Anos de espera

Maria diz que há 12 anos sua vista começou a ficar embaçada e ter dificuldade a enxergar. “Minha visão começou a ficar embaçada. No começo eu enxergava apenas um vulto e logo já perdi totalmente a visão. Fui a médicos de Itapetininga, São Paulo e ao Banco dos Olhos de Sorocaba (SP), mas, até então, nada de cirurgia”, afirma.
A aposentada ressalta que sofreu muito ao ficar cega. “Sofri muito quando perdi a visão. Pensei que nunca mais pudesse enxergar, pois estou há 12 anos assim. Agora com esse mutirão, minha esperança voltou. Só quero voltar a enxergar para poder cuidar do que é meu. Minha vida mudou muito desde que fiquei cega. Tive que mudar de casa, deixei de fazer várias coisas e até meu marido me deixou. Agora voltando a enxergar, terei minha vida de volta”, conta, emocionada.
27 de março de 2017 
Mulher sai para comprar lanche, é espancada e morre em hospital
Postado por Jessica Silva

Letícia Cabral de Souza, 18, morreu na noite de domingo (26), no Hospital da Vida, após ser encontrada ferida na rua Antônio Alves Rocha, no Parque do Lago, em Dourados. De acordo com o registro policial, por volta de 22h, uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada para atender uma jovem vítima de espancamento.
No local, a mulher foi encontrada com vários ferimentos pelo corpo, ainda não é possível saber como ela foi agredida. A vítima foi socorrida e encaminhada para o hospital, onde morreu momentos depois.
Consta ainda que segundo informações do marido dela, de 39 anos, a jovem havia saído para comprar um lanche. Ela estaria com bolsa, celular e ainda R$ 150.
Ele disse ainda que havia pedido para ela esperar que ele a acompanharia, porém saiu mesmo assim. Como Letícia estava demorando o rapaz disse que estranhou, quando momentos depois recebeu a informação que ela foi encontrada ferida.
O caso foi registrado como homicídio simples, porém a polícia investiga a circunstância do caso.





































domingo, 26 de março de 2017

26 de março de 2017 
Sete perguntas e respostas sobre a Operação Carne Fraca
Postado por Jessica Silva

A Operação Carne Fraca, deflagrada há uma semana pela Polícia Federal, trouxe à tona o debate em torno da qualidade da carne produzida e comercializada no Brasil. Em meio às denúncias contra frigoríficos e fiscais, embargos comerciais e garantia, por parte do governo, de que a carne brasileira é confiável, a Agência Brasil preparou um material respondendo algumas dúvidas em relação às investigações.

O que está sendo investigado na Operação Carne Fraca?

De acordo com a Polícia Federal, a Operação Carne Fraca tem como objetivo desarticular um esquema de corrupção envolvendo fiscais agropecuários a serviço do Ministério da Agricultura e donos de frigoríficos nos estados do Paraná, de Minas Gerais e Goiás.

A PF afirma que os fiscais investigados na operação recebiam propina das empresas para emitir certificados sanitários sem fiscalização efetiva da carne e que o esquema permitia que produtos com prazo de validade vencido e com composição adulterada chegassem a ser comercializados. De acordo com a operação, eram usados substâncias para “maquiar” a carne vencida.

Quem está sendo investigado na Operação Carne Fraca?

Ao todo, foram expedidos 27 mandados judiciais de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão. Ao todo, 21 frigoríficos são investigados na operação. Além disso, o Ministério da Agricultura afastou 33 fiscais de suas atividades. Veja a lista de empresas investigadas.

No processo, há a informação de que dois funcionários do Ministério da Agricultura são os líderes do esquema. As investigações também apontam que há ramificações, com líderes próprios, nas cidades de Londrina (PR), Foz do Iguaçu (PR) e Goiânia. Três frigoríficos tiveram a comercialização de produtos suspensa: a unidade de Mineiros (GO) da BRF, e as unidades de Jaraguá do Sul (SC) e Curitiba (PR) da Peccin Agro Industrial.

Como começaram as investigações?

As investigações se iniciaram após denúncia do fiscal agropecuário Daniel Gouvêa Teixeira no ano de 2015. À época, ele denunciou que funcionários estavam sendo removidos de funções para atender a interesses de empresários. Ele diz que tomou conhecimento da existência de um esquema de corrupção que envolvia fiscais e a chefia da superintendência do Ministério da Agricultura no Paraná.

Com base na denúncia, foi autorizada a interceptação telefônica e a quebra de sigilo fiscal e bancário dos suspeitos, que, junto com depoimentos, balizaram a operação.

Quais foram as consequências da operação?

Além das prisões, conduções coercitivas e apreensões da Polícia Federal, a Operação Carne Fraca deixou os consumidores brasileiros mais cautelosos. No mercado exterior, a operação resultou na suspensão de exportação de carne brasileira para 14 países e a União Europeia.

O governo tem se esforçado para recuperar a credibilidade da carne brasileira. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, foi até o Senado dar explicações sobre a fiscalização. Ele também participou de procedimentos de fiscalização em um frigorífico no Paraná e em um supermercado em Brasília. Além disso, o governo tem conversado com autoridades de outros países para reverter as restrições à carne. O presidente Michel Temer chegou a declarar que a carne brasileira é a "melhor do mundo".

O Ministério também anunciou o afastamento dos servidores citados na operação e a exoneração de pessoas que tinham cargos comissionados.

O que as empresas falam a respeito do assunto?

A BRF e a JBS tentaram minimizar o impacto causado pelas denúncias. Por meio de campanhas publicitárias, procuraram rebater dados apresentados na Carne Fraca. A JBS alega que não há menção a irregularidades sanitárias cometidas pela empresa e que nenhuma fábrica foi interditada. Também apontou que nenhum executivo foi citado na operação.

A BRF negou denúncias de que vendia carne inadequada ao consumo e atribuiu a acusação de uso de papelão na carne moída a uma interpretação errada da Polícia Federal nas investigações. Ainda disse que a fábrica de Mineiros foi interditada como medida preventiva pelo Ministério da Agricultura, mas que deve voltar ao funcionamento em breve. A BRF disse que vai colaborar com as investigações para evitar práticas de corrupção na empresa.

O frigorífico Argus, que teve um funcionário acusado de acessar o sistema de fiscalização do Ministério da Agricultura, negou as acusações por meio da página do Facebook. A JJZ Beef, de Goiânia, afirma que em 353 páginas de inquérito foi citada apenas em um parágrafo e disse confiar que não tem irregularidades.

O Frigorífico Rainha da Paz também afirmou que não tem irregularidades e disse que vai colaborar com as investigações. As outras empresas citadas não se pronunciaram a respeito da Operação Carne Fraca em sites oficiais ou redes sociais.

Quais são os próximos rumos das investigações?

Depois de receber críticas sobre a forma de divulgação das primeiras informações, a Polícia Federal, no dia 21 de março, afirmou que as irregularidades identificadas na operação são pontuais e que “não representam um mau funcionamento generalizado do sistema de integridade sanitária brasileiro”.

Também no dia 21, a prisão temporária de 11 acusados na operação teve prazo encerrado e três tiveram o prazo prorrogado. As decisões judiciais relacionadas ao caso podem ser acessadas neste link. Ainda não há previsão de uma nova força-tarefa da Polícia Federal na operação nem liberação de funcionamento dos frigoríficos suspensos.

Como a lei prevê que seja feita a fiscalização?

A lei que rege a fiscalização de produtos de origem animal prevê a obrigatoriedade de uma certificação do SIF (Serviço de Inspeção Federal) para que produtos sejam comercializados em todo o país e realizar exportações. Para obter o SIF, a empresa precisa cumprir uma série de requisitos técnicos e de higiene em suas unidades. De acordo com a lei, o produto tem que ser vistoriado em todas as etapas de produção e servidores ficam alocados em frigoríficos para acompanhar o abate e outras etapas de produção.


Além do SIF – emitido pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, órgão que pertence ao Ministério da Agricultura –, há o Serviço de Inspeção Estadual (SIE), necessário para comercialização dentro dos estados, e o Serviço de Inspeção Municipal (SIM), para a comercialização em municípios. Mais detalhes podem ser vistos,.
JOVEM NÃO ACEITA FINAL DE NAMORO E BOTA FOGO NO BARRACO DO EX-CUNHADO

Vítima teria interferido no relacionamento porque irmã estaria apanhando.
Polícia fez buscas na região sul de Campo Grande porque suspeito fugiu.

Do G1 MS com informações da TV Morena
Fogo destruiu tudo, até um videogame comprado recentemente para crianças (Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena)Fogo destruiu até um videogame comprado recentemente para crianças (Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena)









Um jovem de 26 anos teria incendiado o barraco do ex-cunhado de 30 anos em uma favela no bairro Caiçara, em Campo Grande, por volta das 7h (de MS) deste domingo (26). O suspeito estaria inconformado com o término do namoro com a irmã da vítima.
Segundo a catador de material reciclável e serviços gerais, a irmã estava namorando o suspeito havia 5 meses, mas depois de um tempo ele começou a agredi-la e ele interferiu no relacionamento que terminou há uma semana.
O suspeito teria usado um galão de gasolina para incendiar o barraco que queimou em pouco tempo. Além dos móveis, os aparelhos de eletrodomésticos e, inclusive, o videogame, comprado recentemente para os quatro filhos. Por sorte os três filhos e o enteado não estavam em casa.
Familiares ainda disseram que o jovem também ameaçou botar fogo no barraco da mãe da ex-namorada que fica no mesmo terreno, por causa de uma briga que eles tiveram no dia anterior.
A polícia fez buscas na região sul da capital sul-mato-grossense para tentar encontrar o suspeito que fugiu logo depois de incendiar o barraco, mas não o encontraram.
CASOS DE HOMICÍDIOS DOLOSOS DOBRAM NO OESTE PAULISTA, CONFORME SSP

Nº saiu de 3 para 6 casos no comparativo entre fevereiro de 2016 e de 2017.
Em contrapartida, índices de furtos e de estupro apresentaram quedas.

Do G1 Presidente Prudente
Tiros em Regente Feijó (Foto: Stephanie Fonseca/G1)Um dos homicídios ocorridos em fevereiro foi registrado em Regente Feijó, no dia 14 (Foto: Stephanie Fonseca/G1)









Os índices criminais de fevereiro foram divulgados neste sábado (25) pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). Conforme os dados, o número de homicídios dolosos dobrou no Oeste Paulista, em comparação ao ano passado. Foram seis casos registrados em fevereiro de 2017, enquanto que no mesmo mês, em 2016, foram três mortes. Em janeiro deste ano também foram seis homicídios.
Já o roubo apresenta queda e aumento. Isto porque na comparação com o ano passado, os índices subiram 24,2%. Foram 33 registros em 2016 e 41 em fevereiro deste ano. Entretanto, em relação a janeiro deste ano, a taxa do delito teve redução de 10,8%, caiu de 46 para 41 casos.
Ainda de acordo com os dados da SSP, quanto aos roubos de veículo, também nos meses de janeiro, o índice saiu de um caso em 2016 para dois em 2017. Também foram dois casos em janeiro.
Quedas
Em contrapartida, há delitos com quedas nos comparativos ao ano passado e também em relação a janeiro.
Conforme os dados da SSP, quase 100 furtos a menos foram registrados neste ano, se comparado a fevereiro do ano passado. A redução foi de 15%. Também houve deflação de 17,5% em relação a janeiro.
Neste ano foram registrados 1.310 furtos, sendo 718 em janeiro e 592 em fevereiro. No ano passado, em fevereiro, foram 697 casos. Quanto aos furtos de veículos, os números também apresentam queda. Em fevereiro de 2016 foram 53, enquanto que no mesmo mês, porém este ano, foram 48.
Também há queda nos casos de estupro. Em fevereiro de 2016 foram 17 registros. Já no mês passado, foram 11 casos, conforme os dados da SSP.
Sobre os casos de latrocínios, os números estão zerados em fevereiro de 2016 e também de 2017.